terça-feira, dezembro 20, 2011

Aniversário da Física Quântica!!


Numa reunião da Sociedade Alemã de Física, a 14 de dezembro de 1900, Max Planck apresentou seu artigo "Sobre a Teoria da Lei de Distrinuição do Espectro Normal". Este artigo que a princípio atraiu pouco atenção foi o início de uma revolução na física. A data de sua apresentação é considerada como sendo a do nascimento da física quântica, embora só um quarto de século mais tarde a mecânica quântica moderna, base de nossa concepção atual da natureza, tenha sido desenvolvida por Schroedinger e outros.


Planck propôs em seu artigo que a energia seria tratada como uma variável discreta em vez de uma variável contínua, como sempre foi considerada pela Física Clássica.  Planck supôs que a energia poderia ter apenas certos valores discretos, em vez de qualquer valor, e que os valores discretos de energia fossem uniformemente distrinuídos da forma:


CONSTANTE DE PLANCK
Constante fundamental da Física Quântica, reflete a proporcionalidade entre a frequência da onda e a energia da ocorrência (quantum) que lhe está associada.

h = 6,63 x 10-34  J.s

Fonte de pesquisa: Física Quântica - Átomos, moléculas , sólidos, núcleos e partículas. Eisberg - Resnick. Ed Campus.

Como Meditar - Técnicas fáceis (e excelentes) para serenar a mente.

Acesse o link e assista ao vídeo.
 Vale a pena!
http://www.youtube.com/watch?v=YpbFOhDsUSw&feature=share

A dádiva de aprender a meditar é o maior presente que vc pode se dar nesta vida.
Fazer o bem, evitar o mal, dirigir a própria mente.

sábado, dezembro 17, 2011

As 5 maiores implicações em achar o bóson de Higgs

Cientistas anunciaram no dia 13 de dezembro que estão perto de encontrar o bóson de Higgs, uma partícula subatômica que foi prevista, mas nunca realmente detectada. Agora, pesquisadores do maior acelerador de partículas o mundo, o Grande Colisor de Hádrons (LHC) em Geneva, na Suíça, afirmam que eles chegaram mais perto da massa do Higss, e tiveram até revelações iniciais da sua existência.
Se os físicos conseguirem mesmo detectar o bóson de Higgs e determinar sua massa, a descoberta teria implicações gigantes. Veja abaixo cinco delas:

1) A origem da massa:

O bóson de Higgs é tido como a chave para resolver o mistério da origem da matéria. Ele é associado com um campo, que, adivinhe, tem o nome de campo de Higgs, permeando o universo. Conforme as partículas viajam através dele, elas adquirem massa, assim como nadadores atravessando uma piscina ficam molhados.
“O mecanismo de Higgs é o que nos permite entender como as partículas ganham massa”, afirma João Guimarães da Costa, físico de Harvard e especialista no Modelo Padrão da física no LHC. “Se não houvesse tal mecanismo, tudo seria sem massa”.
Se os físicos confirmarem a existência do bóson, a descoberta também confirmaria esse mecanismo. E talvez ofereça pistas para o próximo mistério, que é por que cada partícula tem uma massa específica. “Isso pode ser parte de uma teoria enorme”, afirma outra física de Harvard, Lisa Randall.

2) O modelo Padrão:
2 – O MODELO PADRÃO
O Modelo Padrão da Física é a teoria reinante das partículas físicas, tratando dos menores constituintes do universo.
Toda partícula prevista nesse modelo já foi descoberta, com exceção de uma: o bóson de Higgs. “É a parte que falta no Modelo Padrão”, comenta Jonas Strandberg, um pesquisador do LHC. “Então, seria uma confirmação de que as teorias que temos estão corretas. Se não acharmos o Higgs, significa que fizemos algumas acepções erradas, e vamos ter que começar de novo”.
Mas o Modelo Padrão não é completo. Ele não abrange a gravidade, por exemplo, e também deixa de fora a matéria escura – que se imagina cobrir 98% do universo. “O Modelo Padrão descreve o que já mensuramos, mas sabemos que não há a gravidade ali, nem a matéria escura”, afirma outro físico do colisor, Willian Murray. “Estão estamos ansiosos para expandir isso e incluir mais coisas”.

3) A força eletrofraca:
A descoberta do bóson de Higgs também ajudaria a explicar como duas forças fundamentais do universo – a eletromagnética, que governa as interações entre partículas carregadas, e a fraca, responsável pela queda radioativa – poderiam ser unidas.
Toda força na natureza está associada com uma partícula. A associada com o eletromagnetismo é o fóton. A força fraca está associada com os bósons W e Z, que têm muita massa, ao contrário do fóton.
O mecanismo de Higgs é tido como o responsável por isso. “Se você introduzir o campo de Higgs, os bósons W e Z se misturam nele, e através disso ganham massa”, comenta Strandberg. “Isso explica porque os bósons W e Z têm massa, e também unifica a força eletromagnética e a fraca na força eletrofraca”.
Apesar de outras evidências terem ajudado na união das duas, a descoberta de Higgs fecharia o acordo. “Isso já é bem sólido”, afirma Murray. “O que queremos é encontrar a prova maior”.

4) A supersimetria:
4 – SUPERSIMETRIA
Outra teoria que será afetada com a descoberta do Higgs é a da supersimetria. A ideia é que toda partícula conhecida tem uma “superparceira”, com leves diferenças.
Essa teoria é interessante pois pode ajudar a unificar algumas das forças da natureza, e até eleger um candidato a partícula que forma a matéria escura. Dependendo da massa do bóson de Higgs, pode dar crédito à supersimetria ou dúvida a ela.
“Se o bóson de Higgs tiver pouca massa, que por enquanto é única janela aberta, isso tornaria a supersimetria uma teoria viável”, comenta Strandberg. “Mas ainda teríamos que provar sua existência”.

5) A validação do colisor de partículas:
5 – VALIDAÇÃO DO COLISOR DE PARTÍCULAS
O Grande Colisor de Hádrons é o maior acelerador de partículas do mundo. Ele foi construído com cerca de 18 bilhões de reais da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN). Encontrar o bóson de Higgs é um dos objetos maiores da empreitada.
A descoberta do Higgs daria validação ao LHC e aos cientistas que vêm trabalhando na pesquisa por muitos anos.
“Se o Higgs eventualmente for descoberto, será um grande passo”, afirma Guimarães da Costa. “É importante para o campo, porque construir essas máquinas custa muito dinheiro, e você precisa justificar isso. Se conseguirmos essa importante descoberta sobre o universo, é uma justificativa do porquê do investimento”.
A descoberta também teria implicações para o cientista Peter Higgs e seus colegas, que propuseram o mecanismo Higgs em 1964.
“É certo que várias pessoas vão ganhar o prêmio Nobel”, comenta Vivek Sharma, físico da Universidade da Califórnia, e líder da busca pelo Higgs no LHC
fonte: http://hypescience.com/as-5-maiores-implicacoes-em-encontrar-o-boson-de-higgs/

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Espetáculo da Natureza!

Queridos amigos,

A natureza é a própria manifestação do amor.
As árvores nos dão sombra, frutas, flores, beleza, acolhimento, remédio, oxigênio... pura perfeição e infinita compaixão.

Deixo aqui então este maravilhoso vídeo, com meus votos de um Natal repleto de Harmonia e um 2012 simplesmente fantástico! Que possamos todos nos sintonizar na vibração do mais puro AMOR e acessarmos nossa Verdadeira Natureza.

video

quarta-feira, dezembro 14, 2011

O que á a partícula de Deus?


Peter Higgs, o físico que propôs teoricamente a existência da partícula de Deus.

O Dr Don Lincoln, físico do Fermilab nos Estados Unidos, explica em poucos minutos o que é a partícula de Deus. Muito bom! Clique no link para assitir http://www.youtube.com/watch?v=CMmm2envReE&feature=related

terça-feira, dezembro 13, 2011

Cientistas podem anunciar hoje a existência da 'partícula de Deus'


Pequisadores reunidos em torno do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) prometeram, para esta terça-feira, divulgar os resultados da caça do Bóson de Higgs
Foto: Cern/Divulgação

A comunidade científica vive a expectativa do anúncio de que pesquisadores podem ter encontrado evidências que comprovem a existência da chamada "partícula de Deus" - o bóson de Higgs. Ela representa um mecanismo ainda não comprovado, que daria massa a todas as outras partículas. O bóson de Higgs é uma "partícula fundamental", uma das peças básicas da construção do universo. Ele também é considerado o pedaço que falta na principal teoria da física de partículas - conhecida como Modelo Padrão - que descreve como partículas e forças interagem.
 
Rumores sobre os resultados das pesquisas mais recentes começaram a circular semanas antes do anúncio, que está previsto para a tarde desta terça-feira, em um encontro científico. É possível que os cientistas consigam somente fazer insinuações a respeito da identificação do bóson de Higgs, já que as equipes de pesquisa ainda não teriam dados suficientes para anunciar uma descoberta formal.
 
No entanto, a maioria dos físicos afirma que não encontrar a partícula pode ser tão interessante quanto encontrá-la no lugar onde a teoria prevê que ela esteja.
"Se não a encontrarmos será - de certo modo - ainda mais excitante, mas de qualquer modo, é uma situação onde só temos a ganhar", disse o físico de partículas Stefan Soldner-Rembold, da Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha.
"Se a encontrarmos, saberemos que a teoria está completa, mas ainda há mais coisas a pesquisar. Se não a encontrarmos, saberemos que há algo que ainda não entendemos."
 
Mecanismo do universo
Encontrar o bóson de Higgs é o principal objetivo do Grande Colisor de Hádrons (GCH), na Suíça, um projeto que custou US$ 10 bilhões (R$ 18 bilhões). Atualmente, o colisor abriga dois projetos - Atlas e CMS - que procuram separadamente pela partícula.
 
A excitação é grande entre os físicos que trabalham no laboratório Cern, a organização baseada em Genebra que opera o GCH, por causa de insinuações de que os pesquisadores podem ter isolado o bóson.
"É um momento fantástico, você consegue sentir que as pessoas estão entusiasmadas", disse à BBC Christoph Rembser, pesquisador sênior do experimento Atlas.
 
Segundo os cientistas, quando o universo esfriou após o Big Bang, uma força invisível conhecida como o campo de Higgs teria se formado juntamente com o bóson de Higgs. É este campo que dá massa às partículas fundamentais que formam os átomos. Sem ele, estas partículas passariam pelo cosmos na velocidade da luz e não conseguiriam se aglutinar.
 
O modo como o campo de Higgs trabalha foi associado ao modo como fotógrafos e repórteres se reúnem ao redor de uma celebridade. O grupo de pessoas é "atraído" fortemente pela celebridade e criam resistência ao seu movimento em um salão, por exemplo. Dessa maneira, eles dão "massa" àquela celebridade, tornando sua movimentação mais lenta.
 
"A questão do (bóson de) Higgs é que sempre dizemos que precisamos dele para explicar a massa, mas sua importância real é que precisamos dele para entender o universo", disse à BBC Tara Shears, física especializada em partículas, da Universidade de Liverpool. "Descobrir a partícula confirma que a abordagem que estamos usando para entender o universo está correta."
 
Estas preocupações motivam o esforço do Cern para destacar o bóson de Higgs e outros fenômenos usando o GCH. O experimento acontece em um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento repleto de imãs que "conduzem" partículas de prótons pelo imenso anel.
Em certos pontos do trajeto, o colisor faz com que os feixes de prótons se choquem uns com os outros a uma velocidade próxima à velocidade da luz, para que seja possível detectar outras novas partículas nos resultados da colisão.
 
Caça à partícula
O Atlas e o CMS procuram sinais da partícula entre bilhões de colisões que ocorrem em cada experimento do GCH. Evidências da existência dela apareceriam como pequenos "picos" nos gráficos dos físicos.
Rumores que circulam entre os cientistas dizem que os dois projetos encontraram sinais do bóson de Higgs com níveis entre 2,5 e 3,5 sigma de certeza.
 
Estes números representam uma medida da probabilidade de que estes sinais tenham acontecido por acaso, e não por um fenômeno físico. Se estes números forem anunciados nesta terça-feira, o Cern não poderá fazer uma reivindicação definitiva da descoberta. Três sigmas são considerados como "observação" de um fenômeno e cinco são considerados o limiar de uma descoberta.
 
O diretor geral do Cern, Rolf-Dieter-Heuer, disse à equipe de funcionários da organização, por e-mail, que o anúncio não seria conclusivo. O "sim" ou "não" definitivo para o bóson de Higgs só deverá acontecer em 2012.

fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5515981-EI8147,00-Cientistas+podem+anunciar+hoje+a+existencia+da+particula+de+Deus.html

Física Quântica para todos ! (3)

Como vimos no post anterior (Física quântica para todos 2), a luz, que pela física clássica era considerada uma onda eletromagnética em qualquer situação, tb pode ser considerada como composta de partículas, os fótons.
O físico Louis de Broglie propôs a ideia contrária, ou seja, já que a luz que era tida como onda também tinha comportamento corpuscular (de partículas), será que as partículas também não poderiam ter um comportamento ondulatório?

A resposta para a sua questão é positiva! Os elétrons, que eram considerados partículas também podem apresentar comportamento ondulatório sim! Observe no filminho abaixo o famoso experimento da fenda dupla.

video
Hoje sabemos que o elétrons, assim como as outras partículas quânticas, são dualidades onda-partícula. Este conceito de dualidade confundiu os físicos por algum tempo pois na física clássica não existe tal conceito. Não tem como um mesmo objeto clássico ter dois comportamentos tão diferentes. Mas na física quântica isso pode acontecer sim!


Para colocar um pouco de ordem nesta estória toda o físico dinamarquês Niels Bohr propôs o Princípio da Complementaridade, onde ele diz que os conceitos corpuscular (partículas) e ondulatório são complementares. Se num determinado experimento o elétron mostra o comportamento de partícula usamos o modelo do elétron partícula (naquele experimento consideramos que o elétron é uma partícula). Se em outro experimento (fenda dupla, por exemplo) o elétron exibe um comportamento ondulatório, usamos o modelo do elétron como onda. Repare que se o elétron vai "aparecer" como onda ou partícula, depende do experimento que montamos!

sábado, dezembro 10, 2011

Meditação altera fisicamente o cérebro

Prática provocou aumento na densidade da massa cinzenta da região cerebral ligada ao aprendizado e à memória.


(obrigada Renata Pina por compartilhar!) 



Foto: Getty Images Ampliar
Meditação: alterações na massa cinzenta do cérebro

Um programa de oito semanas de meditação pode ocasionar mudanças mensuráveis em regiões cerebrais associadas a atenção, empatia e percepção de si mesmo.

A meditação concentra-se na percepção, livre de julgamentos, dos sentimentos, sensações e estados mentais de si mesmo – o que geralmente resulta numa sensação de total relaxamento e paz plena.

No estudo, feito nos Estados Unidos, foram utilizados exames de ressonância magnética para avaliar a estrutura cerebral de 16 voluntários nas duas semanas anteriores e posteriores ao programa de oito semanas de Meditação Para a Redução do Estresse da Universidade de Massachusetts (EUA).

O programa incluiu encontros semanais para a prática de meditação e gravações em áudio para a prática de meditação guiada. Os participantes tiveram de monitorar o tempo diário de prática. Para fins comparativos, os pesquisadores também analisaram exames de ressonância magnética de um grupo-controle que não praticou a meditação.

Os participantes do grupo de meditação passaram, em média, 27 minutos diários praticando. Os exames de ressonância magnética realizados depois do período de oito semanas revelaram um aumento na densidade da massa cinzenta do hipocampo (região cerebral ligada ao aprendizado e à memória) e em estruturas associadas à compaixão e à autopercepção.

Os investigadores também constataram que a redução de estresse relatada pelos participantes foi associada à diminuição da densidade da massa cinzenta da amídala cerebral, que exerce um importante papel na ansiedade e estresse. Nenhuma das alterações da estrutura cerebral foi observada no grupo-controle.

“É fascinante observar a plasticidade do cérebro e perceber que, através da meditação, podemos ter um papel ativo na mudança cerebral, podendo aumentar nosso bem-estar e qualidade de vida”, disse Britta Holzel, principal autora do estudo e pesquisadora do Massachusetts General Hospital e da Giessen University, da Alemanha.

“Outros estudos, conduzidos com diferentes grupos de pacientes, já mostraram que a meditação pode trazer melhorias significantes de diversos sintomas. Agora estamos investigando os mecanismos cerebrais ocultos que facilitam a ocorrência desta mudança”, disse a pesquisadora.

O estudo será publicado na edição de 30 de janeiro da revista especializada Psychiatry Research: Neuroimaging.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

DNA PODE SER REPROGRAMADO COM PALAVRAS E FREQÜÊNCIAS

DNA PODE SER REPROGRAMADO COM PALAVRAS E FREQÜÊNCIAS
O DNA humano é uma Internet biológica e superior em muitos aspectos a uma artificial. A mais recente pesquisa científica russa direta ou indiretamente, explica fenômenos como a clarividência, intuição, atos espontâneos e remota de cura, auto-cura, técnicas de afirmação, a luz incomum / auras em torno de pessoas (mestres espirituais), influência da mente sobre os padrões climáticos e muito mais. Além disso, há evidências de um novo tipo de medicamento em que o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências SEM remover e substituir um único gene.
Apenas 10% do nosso DNA está sendo usado para a construção de proteínas. É este subconjunto do DNA que é de interesse dos pesquisadores ocidentais e está sendo examinado e categorizado. Os outros 90% são considerados “DNA lixo”. Os pesquisadores russos, no entanto, convencidos de que a natureza não seria estúpida, juntando-se lingüistas e geneticistas em uma aventura para explorar os 90% de “DNA lixo”. Seus resultados e conclusões são simplesmente revolucionário! Segundo eles, nosso DNA não é apenas responsável pela construção do nosso corpo, mas também serve como armazenamento de dados e na comunicação. Os lingüistas Russos compreenderam que o código genético, especialmente nos aparentemente inúteis 90%, segue as mesmas regras que todas as nossas linguagens humanas. Para este fim, eles compararam as regras da sintaxe (a forma em que as palavras são unidas para formar frases e sentenças), semântica (o estudo do significado nas formas de linguagem) e as regras básicas da gramática. Eles descobriram que os alcalinos de nosso DNA seguem uma gramática regular e têm conjuntos de regras como as nossas línguas. Línguas tão humanos não surgiram coincidentemente, são um reflexo do nosso DNA inerente.
Os professores esotéricos e espirituais conheceram por eras que o nosso corpo é programável pela linguagem, palavras e pensamentos. Isto já foi cientificamente provado e explicado . É claro que a freqüência tem que ser correta. E é por isso que nem todos são igualmente bem-sucedida ou pode fazê-lo sempre com a mesma força. A pessoa individual deve trabalhar nos processos internos e maturidade, a fim de estabelecer uma comunicação consciente com o DNA. Os pesquisadores Russos trabalham em um método que não é dependente destes fatores, mas que SEMPRE funcionará desde que se use a freqüência correta.
Mas quanto mais desenvolvida a consciência de um indivíduo é, menos necessidade há para qualquer tipo de dispositivo! Pode-se conquistar estes resultados por si mesmo, e a ciência finalmente deixará de rir de tais idéias e confirmará e explicará os resultados. E não termina aí. Os cientistas Russos descobriram também que o nosso DNA pode causar padrões perturbadores no vácuo, produzindo assim buracos de minhoca magnetizados! Wormholes são os equivalentes microscópicos das assim chamadas pontes Einstein-Rosen na vizinhança dos buracos negros (deixados pelas estrelas extintas).?  Estes são conexões subterrâneas entre áreas totalmente diferentes no universo através do qual a informação pode ser transmitida fora do espaço e tempo. O DNA atrai estes pedaços de informação e as passa para a nossa consciência. Este processo de hiper-comunicação é mais eficaz em um estado de relaxamento. Stress, preocupações ou um intelecto hiperativo impede comunicação hiper bem sucedida ou a informação será totalmente distorcida e inútil.
Na natureza, a hiper-comunicação tem sido aplicada com sucesso por milhões de anos. O fluxo organizado de vida em estados de insetos prova isto dramaticamente. O homem moderno conhece isto somente a um nível muito mais sutil como “intuição”. Mas nós, também, pode recuperar o pleno uso do mesmo. Um exemplo da Natureza: Quando uma formiga rainha está separada espacialmente de sua colônia, a construção ainda continua fervorosamente e de acordo com o plano. Se a rainha for morta, entretanto, todo o trabalho na colônia se interrompe. Nenhuma formiga sabe o que fazer. Aparentemente, a rainha envia os “planos de construção”, também de longe através da consciência de grupo de seus assuntos. Ela pode ser tão longe quanto ela quiser, contanto que ela está viva. No homem de comunicação hiper é mais freqüentemente encontrada quando subitamente se conquista o acesso à informação que está fora da base de conhecimento. Comunicação hiper tal é então experienciada como inspiração ou intuição. O compositor italiano Giuseppe Tartini, por exemplo, sonhou uma noite que um demônio sentou em sua cama tocando o violino. Na manhã seguinte Tartini foi capaz de anotar a peça exatamente de memória, ele a chamou de  Sonata do Diabo Trill.
Durante anos, um enfermeiro de 42 anos, masculino, sonhou com uma situação em que ele estava ligado a um tipo de conhecimento de CD-ROM. O conhecimento verificável de todos os campos imagináveis ​​foi então transmitido a ele que ele era capaz de lembrar da manhã. Houve tal fluxo de informação que parecia que toda uma enciclopédia era transmitida à noite. A maioria dos fatos eram exteriores ao seu conhecimento básico pessoal e alcançou detalhes técnicos sobre o qual ele não sabia absolutamente nada.
Em seu livro  “Vernetzte Intelligenz” (Rede de Inteligência), Grazyna Gosar e Franz Bludorf explicam estas conexões precisa e claramente. Os autores também citam fontes presumindo que em épocas anteriores a humanidade tinha sido, assim como os animais, muito fortemente ligado à consciência de grupo e agia como um grupo. Para desenvolver a individualidade ea experiência que nós, humanos, porém, teve de esquecer de comunicação hiper quase completamente. Agora que estamos absolutamente estáveis ​​em nossa consciência individual, podemos criar uma nova forma de consciência de grupo, ou seja, um, no qual chegamos a acessar toda a informação através do nosso DNA sem sermos forçados ou remotamente controlados sobre o que fazer com essa informação.  Nós Agora sabemos que, assim como na internet o nosso DNA pode alimentar seus dados apropriados para a rede, pode chamar os dados da rede e pode estabelecer contato com outros participantes da rede. A cura à distância, telepatia ou “sensibilidade à distância” sobre o estado de parentes, etc. pode assim ser explicada. Alguns animais sabem também de longe quando seus donos planejam voltar para casa. Que pode ser interpretado recentemente e explicado por meio dos conceitos de consciência de grupo e de comunicação hiper. Nenhuma consciência coletiva pode ser sensivelmente usada em qualquer período de tempo sem uma individualidade distinta. Caso contrário, teríamos reverter para um instinto de grupo primitivo que é facilmente manipulado.
Hiper-comunicação no novo milênio significa algo muito diferente:  Os pesquisadores acreditam que se os humanos com plena individualidade recuperar a consciência de grupo, eles teriam um poder divino para criar, alterar e moldar as coisas na Terra! E a humanidade está se movendo coletivamente em direção a uma consciência de grupo de novo tipo . Cinqüenta por cento das crianças de hoje serão crianças problema assim que o ir à escola. O sistema trata a todos globalmente e exige um ajuste. Mas a individualidade das crianças de hoje é tão forte que eles se recusam a este ajuste e desistem de suas idiossincrasias dos modos mais diversos.
Ao mesmo tempo, mais e mais crianças clarividentes nascem. Algo nestas crianças está se esforçando mais e mais para a consciência de grupo de novo tipo, e ele deixará de ser reprimida. Como regra, o tempo, por exemplo, é mais difícil de influenciar por um único indivíduo. Mas pode ser influenciado por uma consciência de grupo (nada de novo para algumas tribos que fazem isto em suas danças da chuva). Clima é fortemente influenciado pelas freqüências da ressonância da Terra, as freqüências chamados Schumann. Mas estas mesmas freqüências são também produzidas em nossos cérebros, e quando muitas pessoas sintonizam o seu pensamento ou indivíduos (os mestres espirituais, por exemplo), focalizam os seus pensamentos em um laser como a moda, então é cientificamente falando não de todo surpreendente se eles podem, assim, influenciam o clima.
Pesquisadores da consciência de grupo formularam a teoria das civilizações do Tipo. Uma humanidade que desenvolveu uma consciência de grupo de novo tipo não teria nem problemas ambientais nem carência de energia. Para se fosse para usar seu poder mental como uma civilização unida, teria o controle das energias de seu planeta natal como uma conseqüência natural. E isso inclui todas as catástrofes naturais! A civilização teórica Tipo II seria mesmo capaz de controlar todas as energias de sua galáxia natal.
Sempre que um grande número de pessoas centrar a sua atenção ou consciência em algo semelhante, como Natal, campeonato mundial de futebol ou o funeral de Lady Diana na Inglaterra depois de números aleatórios determinados geradores em computadores começam a entregar números ordenados ao invés dos aleatória. Uma consciência de grupo ordenada cria a ordem em seu entorno inteiro!
Quando um grande número de pessoas se reúne muito intimamente, os potenciais de violência também se dissolvem. Parece que aqui, também, um tipo de consciência humanitária de toda a humanidade é criada.
Na Parada do Amor, por exemplo, onde todos os anos cerca de um milhão de jovens se reúnem, nunca houve quaisquer tumultos brutais à medida que ocorrem, por exemplo, em eventos esportivos. O nome do evento por si só não é visto como a causa aqui. O resultado de uma análise indicou que o número de pessoas era MUITO GRANDE para permitir uma inclinação para a violência.
NOTA DO EDITOR: Em função do meu profundo interesse pelo assunto e desejo de compartilhá-lo o mais breve possível, não fiz uma revisão como o artigo merece em sua tradução. Também retirei alguns parágrafos afim de dar uma visão mais geral.
FONTE: wakeup-world.com. Título original: Scientist Prove DNA Can Be Reprogrammed by Words and Frequencies

terça-feira, dezembro 06, 2011

Curso em Curitiba - final de semana


Olá amigos, com muita alegria aproveito a oportunidade deste curso em um final de semana para convidar as pessoas de outras cidades que têm interesse em aprender e entender os conceitos  básicos de Física Quântica, em um ambiente alegre e descontraído!

Assuntos abordados no curso:
Conceitos básicos de física quântica: Modelos atômicos, o significado de E=mc2, a ideia do quantum, as novas partículas encontradas, aceleradores de particulas, a partícula de Deus, Princípio da complementaridade, Princípio da incerteza, dualidade onda-partícula, antimatéria e o papel do observador na Física quântica.

Teoria das cordas: A Teoria de Tudo, o sonho de Einstein. Universos Paralelos.

Emaranhamento Quântico: um fenômeno de não-localidade.

Experimento da Escolha Retardada e Borracha Quântica: Aparentemente uma borracha quântica pode alterar eventos passados ao apagar do Universo informações sobre fatos que aconteceram.
O curso será nos dias 30 e 31 de março, sexta a noite e sábado o dia todo (ficando ainda o domingo livre para passear nesta linda cidade).

Inscrições e informações com Cristiane pelo tel 41-9886-1769 ou pelo  e-mail fisicaquantica@uol.com.br.

O curso inclui: entrega de certificados e três coffee breaks com produtos orgânicos.
As inscrições estarão abertas a partir de fevereiro de 2012. Reservem as datas!

Investimento:
Para inscrições de 01/02 até 29/02: 3 x de R$ 89,00 (total R$ 267,00)
Para inscrições de R$ 01/03 até 20/03: 3 x de R$ 97,00 (total R$ 291,00)
Para inscrições no dia do curso (se houver vaga): 3 x R$ 107,00 (total R$ 321,00)

Local: Sala de Convenções do Edifício Palace Executive Center. Rua Padre Anchieta 1691. Champagnat. Curitiba / PR.

Horário: Dia 30 das 19h às 22:30.
Dia 31 das 9h às 12:30 e das 14h às 18h. Carga horária do curso: 11h.

Ministrantre: Eliane P. Serra Xavier
Mestre em Física Teórica na área de Física Quântica pela UFPR;
Especialista em Ensino de Física pela UFRJ. 

Alguns hóteis próximos ao evento são:

Flat Mercure:

http://www.accorhotels.com/pt/hotel-3647-mercure-curitiba-parque-barigui/index.shtml

Flat Virmond:

http://www.flatvirmond.com.br/

Flat Petras:

http://flatpetras.com.br/web/

Ibis Batel:

http://www.accor/ hotels.com/pt/hotel-5461-ibis-curitiba-batel/index.shtml

(centro da cidade) Guaíra Palace Hotel:


Bargui Park Hotel:



sexta-feira, novembro 25, 2011

Vídeo da Nasa - veja nosso lindo planeta do espaço.

Como seria dar a volta na Terra vendo nosso planeta de cima? Os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS), tem o privilégio de fazer isso a cada 90 minutos.
Recentemente, membros da tripulação produziram uma série de vídeos sensíveis à luz, filmados no período da noite. As imagens reunidas podem ser conferidas no vídeo em time-lapse reproduzido acima.
Muitas cenas maravilhosas do céu são visíveis no vídeo, incluindo auroras vermelhas e verdes, luzes das grandes cidades e estrelas ao fundo. Uma parte da ISS aparece algumas vezes na parte superior do vídeo.
video

Reconheceu alguma região no vídeo? Se você quiser pode ajudar a criar um guia para acompanhar as imagens identificando cidades, países, fenômenos climáticos e até mesmo as constelações que aparecem ao fundo. [NASA]

E vejam que máximo, vcs podem pesquisar no link http://spaceflight1.nasa.gov/realdata/sightings/  por onde ela anda e tentar vê-la da sua cidade.
fonte: http://hypescience.com/video-volta-ao-mundo-em-90-minutos/

quinta-feira, novembro 24, 2011

Físicos descobrem uma nova subpartícula: Xi-sub-b neutra

Físicos do laboratório Fermilab produziram, através de colisões de alta velocidade, o que eles acreditam ser uma nova partícula, um parente mais pesado do nêutron.
A partícula é chamada Xi-sub-b neutra. Quando formada no acelerador de partículas, durou apenas um mero instante antes de decair em partículas mais leves.
Os cientistas descobriram essas partículas efêmeras fazendo partículas girarem em volta de um anel de 6,3 quilômetros próximo à velocidade da luz. Quando as partículas colidiram, a efusão de energia as desintegrou em outras partículas.
O modelo padrão da teoria da física prevê a existência da Xi-sub-b neutra, mas esta é a primeira vez que os pesquisadores a detectam.
A partícula é um bárion, o que significa que é composta por três partículas fundamentais chamadas quarks.
Prótons e nêutrons, que compõem o núcleo dos átomos, são bárions. Prótons contêm dois quarks “up” e um “down” (existem seis tipos de quarks na natureza: “top”, “bottom”, “charm”, “strange”, “up” e “down”), enquanto os nêutrons têm dois quarks “down” e um “up”.
A partícula recém-descoberta contém um quark “strange”, um quark “up” e um quark “bottom”. O quark “bottom” é chamado de quark “bottom” pesado, e torna a Xi-sub-b neutra cerca de seis vezes mais pesada que um próton ou nêutron.
Medir as propriedades de partículas minúsculas como a Xi-sub-b neutra permite que os físicos compreendam como os quarks interagem para formar a matéria. Segundo os cientistas, os modelos de física ainda preveem que vários bárions têm que ser descobertos.
fonte: http://hypescience.com/fisicos-descobrem-uma-nova-subparticula-xi-sub-b-neutra/

sábado, novembro 19, 2011

Aceleradores de partículas

Hoje na mídia se fala muito em aceleradores de partículas. Vc sabe como funcionam os aceleradores?
O LHC (Large Hadron Collider - Grande colisor de hádrons) é o acelerador mais potente que existe atualmente. As partículas percorrem 27 km, num túnel subterrâneo circular, a 100m abaixo do solo, na fronteira da Suíça com a França.
Prótons (que hj são chamados de hádrons) são acelerados a velocidades muito próximas a da luz e colidem. Nestas colisões é possível observar uma variedade enorme de novas partículas.
Suponha que conseguíssemos acelerar dois moranguinhos a estas altíssimas velocidades. No momento da colisão, pela conservação de energia, a energia que os morangos carregam (energia cinética, devido a sua velocidade), se materializaria em novas frutas.

Conversão Energia-Massa  ( E=mc² )


Partículas com massas pequenas produzindo partículas com massas maiores. Coloca-se as partículas de massa pequena num acelerador, dá-se a elas muita energia cinética (velocidade)  e faz-se a colisão. A energia cinética das partículas se converte na formação de novas partículas de maior massa. Criam-se partículas pesadas instáveis e estuda-se suas propriedades.
 
Uma outra maneira de ver o fenômeno, é pensar que quando os prótons são acelerados eles aumentam de massa (segundo a teoria da relatividade - corpos que se movem a velocidades próximas da luz tem sua massa aumentada). Deste modo no momento da colisão dos prótons surgem várias outras partículas. Para saber um pouco mais assista ao vídeo abaixo:
 
video
 

domingo, novembro 13, 2011

Física Quântica para todos! (2)


Por Eliane P. Serra Xavier

Efeito Fotoelétrico - Fótons

Por volta de 1905 Einstein usou a ideia de Planck, da
energia quantizada, para explicar o chamado Efeito Fotoelétrico. Trabalho pelo
qual ele ganhou o premio Nobel em 1921.

O Efeito Fotoelétrico é um fenômeno que ocorre quando incidimos luz sobre
uma superfície de metal e elétrons, ao serem estimulados pela luz, pulam
para fora do metal. No seu artigo Einstein propunha que a luz ao incidir sobre
a superfície de metal tinha sua energia absorvida pelos elétrons em forma
de partículas, ou seja, em forma de pacotinhos de energia. Sendo assim cada
elétron que capturasse um pacotinho, desde que o pacotinho tivesse a energia
necessária, ele pularia para fora da placa de metal.

Efeito Fotoelétrico

O que seria ”ter a energia necessária”?
Cada tipo de onda eletromagnética, a luz visível, as ondas de
rádio, TV, celulares, raios X, microondas, etc., cada onda tem uma específica
frequência de vibração. Frequencia da onda é o número de vezes que a onda
oscila num determinado intervalo de tempo. Quando medimos a frequência
de uma onda em Hertz, por exemplo, estamos dizendo quantas vezes a onda
oscila em um segundo. Voltando ao efeito fotoelétrico, dependendo então da
frequência da onda eletromagnética que incidia sobre a placa de metal, seus
fótons carregavam uma quantidade específica de energia que é proporcional
a sua frequência. Assim sendo, se a onda tivesse uma frequência de oscilação
alta o suficiente para que seus pacotinhos de energia – os fótons - tivessem
a energia necessária para que o elétron pulasse do metal, o efeito ocorria. Se
a luz (onda eletromagnética) que incide sobre o metal tivesse uma vibração
(uma freqüência) muito baixa, o efeito deixava de ocorrer, mesmo que a luz
ficasse incidindo por um tempo indeterminado.

E = h. v
Energia do fóton = constante de Planck x frequencia da onda


O fóton da luz azul tem mais energia que o fóton da luz vermelha, por exemplo, pois a luz azul tem uma frequência de vibração maior que a luz vermelha.

Este modelo de Einstein satisfez totalmente a necessidade de explicação do
fenômeno, e abriu uma discussão importantíssima na física moderna! Será que
se a radiação eletromagnética, como a luz do sol, por exemplo, que sempre
foi vista pela ciência como ondas eletromagnéticas e que agora também são
conhecidas como pequenas partículas de energia, os quanta, será que isso
então não nos levaria a hipótese contrária, ou seja, não poderiam também as
partículas serem ondas ?!

*** no próximo post: Física Quântica para todos! (3) - Esta foi a proposta colocada pelo físico francês Louis de Broglie. De Broglie propôs a tese de que o elétron, até então conhecido como partícula, poderia apresentar também o comportamento ondulatório! Que estranho! Que bizarro
isto! Mas para o espanto de toda a comunidade científica, foi isto mesmo que
foi observado ao montarem o famoso experimento da “fenda dupla”. Bem,
mas isto já é assunto para outro artigo.

Emaranhamento Quântico

O espaço e tempo são dois conceitos clássicos fundamentais mas de acordo com a mecânica quântica são secundários. Os emaranhamentos são primários.Eles interconectam sistemas quânticos sem referência a espaço e a tempo.
 
Quando duas partículas estão emaranhadas elas perdem suas características próprias e começam a funcionar como um único sistema. A interação entre elas continua mesmo que elas estejam separadas por longas distâncias.

emaranhamento quântico é um fenômeno da mecânica quântica que permite que dois ou mais objetos estejam de alguma forma tão ligados que um objeto não possa ser corretamente descrito sem que a sua contra-parte seja mencionada - mesmo que os objetos possam estar espacialmente separados. Isso leva a correlações muito fortes entre as propriedades físicas observáveis dos diversos sub-sistemas.

Essas fortes correlações fazem com que as medidas realizadas num sistema pareçam estar a influenciar instantaneamente outros sistemas que estão emaranhados com ele, e sugerem que alguma influência estaria a propagar-se instantaneamente entre os sistemas, apesar da separação entre eles. Mas no Universo não se permite a transmissão de informação a uma velocidade superior à da velocidade da luz, portanto o emaranhamento quântico mostra um conceito que chamamos de não-localidade, ou seja a informação não viaja pelo espaço e pelo tempo. A informação é instantânea, não-local.


O emaranhamento quântico é considerado pelos cientistas como base para futuras tecnologias como computação quântica, criptografia quântica e teletransporte quântico. Fenômeno intrínseco da mecânica quântica, o emaranhamento permite que duas ou mais partículas compartilhem suas propriedades mesmo sem qualquer ligação física entre elas.


sábado, novembro 05, 2011

sexta-feira, novembro 04, 2011

Física Quântica para todos! (1)

Olá amigos, preparados para nossa primeira aulinha?

E tudo começou com a quantização da energia...

Por volta de 1900 havia uma “mosca na sopa” da física clássica. Era a
radiação do corpo negro. Como este artigo é para o público leigo não irei me
deter em explicações técnicas do fenômeno. O que nos importa é saber que
toda a física clássica até então simplesmente não dava conta de explicar o que
era observado neste fenômeno. A comunidade científica estava diante de um
impasse. Um novo modelo científico precisava ser proposto para explicar tal
observação.
 O físico alemão Max Planck teve a genial ideia de propor que a energia na
verdade não se propaga de forma contínua, mas sim em pequeniníssimos
pacotes que vieram a ser chamados de quanta! Esses pacotinhos de energia
seriam realmente muito pequenos. Um pacotinho seria um quantum de
energia, a menor parte, como a ideia inicial de um átomo (a palavra átomo
vem de um radical grego que quer dizer indivisível, a menor porção possível).
Esta simples mudança de perspectiva (talvez nem tão simples assim, mas
simples no sentido de que ao mudar-se apenas um conceito, um ponto de
vista, a paisagem se descortina completamente nova a nossa frente), trouxe
uma maneira de interpretar o misterioso fenômeno da radiação do corpo
negro de forma totalmente satisfatória e completa!
Esta ideia foi o começo de uma verdadeira revolução na física! Nascia a física
do século XX, e com ela todo o descortinamento de um universo novo e
inesperado.


*** no próximo "Física Quântica para todos!" (2) - ...Um pouco mais tarde, por volta de 1905 Einstein usou a ideia de Planck, da energia quantizada, para explicar o chamado Efeito Fotoelétrico. Trabalho pelo qual ele ganhou o premio Nobel em 1921...